Quantos andam por aqui?

12 de agosto de 2010

Acabou. Tudo.

Aconteceu. O que eu mais temia, finalmente acabou por acontecer - a separação dos meus pais. Estou sozinha numa casa de 3 andares, casa que é minha à 18 anos, à menos de meia hora e sinto-me uma estranha aqui. Ver as paredes vazias, as mesas sem as bugigangas normais, os roupeiros vazios e o quarto da minha irmã vazio... Não consigo, é demais para mim. O meu choro ecoa pela casa, conforme eu olho e me mentalizo de que a minha mãe e a minha irmã foram-se embora. Só fiquei eu e a pessoa com que eu me dou pior, o meu pai. Mal ficámos os dois sozinhos em casa desatei a gritar com ele, para me deixar em paz, para não me falar. Ele não compreende o que eu estou a sentir, não compreende. Como é que eu vou ficar aqui, como? Hoje, senti-me a pior pessoa de sempre ao estar a arrumar as coisas da minha irmã, foi como se estivesse a cavar a minha própria sepultura. Eu podia estar sempre a ralhar com ela, a dizer para ela fazer isto ou aquilo, mas sinto tantas saudades dela e sei que vou sentir ainda mais. Como é que é possível? Como é que se vive sem a pessoa mais importante para nós? E os meus avós? Como é que me tiveram a lata de me dizer para eu ficar em casa estes dias, até eles chegarem do Alentejo, para eu tomar conta do meu pai, para não sair de casa. Como é que eu vou sobreviver a olhar para uma casa vazia o dia todo, sozinha, como? Estes últimos dias foram passados em choro descontrolado. Ajudar a minha mãe a arrumar tudo foi horrível. Mexer na roupa pela última vez, nas malas, em fotografias... em tudo, foi horrível.
Não consigo comer, não consigo falar, não consigo nada. Nem olhar para a minha mãe agora fui capaz. Pela primeira vez em muito tempo agarrei-me a ela e chorei, senti-me tão frágil e sozinha. Desde essa hora que não consigo parar de chorar. Deitei-me na cama da minha irmã e não sei o que senti... não sei. E não quero imaginar como me vou sentir amanhã, quando ela souber que os pais se separaram. E também não quero saber como vou reagir quando a abraçar pela última vez em dias. Eu quero que ela saiba que é a pessoa mais importante para mim, independentemente da distância a que estejamos.  Quero que ela saiba que das vezes que lhe ralhei foi só para o bem dela, que as vezes que eu a encostava a mim enquanto chorava e eu dizia baixinho "Tem calma, vai passar. Eu estou sempre contigo" era sempre tudo verdade. Porque posso não ter muitas forças para mim e para enfrentar tudo sozinha, mas pela minha irmã eu faço tudo, tudo.



Como é que a partir de agora vão ser os meus dias? Sozinha. Completamente.

23 comentários:

maria teresa disse...

Querida D* não está a brincar pois não?

Maggy disse...

oh linda... o melhor para ti é ficares com a tua mãe e a tua mana... sozinha só vais dar voltas e voltas à cabeça...
De certeza que o teu pai se safa bem sozinho... Tu é que precisas de alguém...

Lamento por essa situação toda...:(

beijos, força (mas a sério)

Lia disse...

oh... nem sei bem o que dizer! Pq não vais com a tua mãe e com a tua mana? Se é com elas que está o teu coração...

olha, se precisares de algo, nem que seja desabafar, manda mail, a sério:
arco.iris.sentimentos@gmail.com, estou aqui p ti!

Tereza disse...

lamento que estejas a passar por tudo isto.
se achas que não ficas bem com o teu pai, tenta ficar com a tua mãe e irmã. tens o direito de escolher.
desejo-te muita força! beijinho.

Flor disse...

Olá.
Não sei o que te dizer, aliás até quero dizer que tu és forte e uma menina cheia de personalidade e que vai tudo correr bem, mas sei que isto não é o suficiente, estás cansada de palavras, queres acções e queres que os teus sonhos sejam realizados. Queres que as tuas vontades sejam feitas, já e agora.

Quero deixar-te o meu apoio, sincero e de coração. E se precisares de alguma coisa manda email para a conta do meu blog: tudounadaflor[at]gmail.com

Beijinhos

Leila Reis disse...

tem calma D*, é que eu nem consigo imaginar o que possas estar a sentir neste momento...
custa tanto passar por isto, de certeza!
só te desejo que o futuro te traga algo de muito bom que te compense pelo que estás agora a passar e a sentir.
em relação à tua irmã, acho que devias ter ficado a viver com ele, isto porque os filhos não têm culpa dos país se separarem, e muito menos têm de sofrer com isso.
um beijinho grande D, e muita força.

maria teresa disse...

Minha querida fique calma e pense um pouco. O que lhe está a acontecer já devia estar programado há uns tempos... Não fique sozinha! Porque é que a sua mãe não a levou? Peça aos seus avós para virem rapidamente, peça a uma amiga real que vá para o pé de si ou vá a Daniela para casa dela...
Não sei até que ponto o seu pai precisa da sua companhia, fale com ele e diga-lhe o que nos está a dizer a nós...
Acalme-se e pense ...

Anira the Cat disse...

Querida, respira fundo! É uma situação delicada, o importante agora é não te isolares.Força!

Bjokas

Gingerbread Girl disse...

Porra que já me meteste a lacrimejar.

Miúda, sei que isto pode parecer o fim do mundo, mas não é. Problemas todos temos, mas vamos sobrevivendo a eles de uma forma que nunca achamos ser possível.

Tu também vais ultrapassar isto... vai demorar um pouco, mas és uma miúda simpática e bem disposta, com um coração de ouro... e isso tudo conta em alturas como esta.

Beijinho grande***

Flor disse...

Miminho no meu blog, outra vez. :)

Flor disse...

Miminho no meu blog:)

Caroline Farias disse...

Querida, não sei como é a dor que esta a sentir, mas posso te dizer uma coisa que é clichê... Tudo vai ficar bem, espere, o tempo cura feridas. Você, eu sei que vai, ter forças para encarar tudo isso. Você é forte!
Melhoras!

beijinhos

IM disse...

hold on **

ADEK disse...

Abraço apertado, querida!*

Jo. disse...

vai doer muito agora, como se estivesses a arrancar um penso muito muito devagar. mas à medida q o tempo passa vai doendo menos. é melhor q ouvir gritos pela casa. preferia q nao passasses por isso, mas tu és forte, estás mais forte do q quando nos conhecemos e vais conseguir ultrapassar esta fase.

Pinkk Candy disse...

ohh querida, lamento. imagino que te estejas a sentir muito triste. espero que os teus avós já tenham chegado e que já te sintas um pouco melhor, pelo menos para não te sentires tão sozinha.
desejo-te muita força, e tens o meu email à disposição.
desejo-te muita força e calma.
vai dando notícias,
beijinhos grandes***

Sara sem Sobrenome disse...

Sabes uma coisa? Vou-te contar um segredo. Segredo esse que nem os meus amigos mais chegados (aqueles com quem eu estou todos os dias, sabem). Nem sequer escrevi no meu blog.
Os meu pais estão separados há muitos anos. Há 14 anos. Chorei. Chorei como tu. Também foi a minha irmã a minha torre de salvação. Custa. Vai doer. Vai doer muito. Chora, grita, ralha. Mas acredita que quando estiveres mais calma vais perceber que as coisas assim são muito melhores. Acredita em mim. Não te conheço. Nunca te vi. Mas percebo-te. Oh como eu te percebo. É uma dorzita chata e constante num sitio que eu nem sei bem identificar. Dói. Eu sei. Mas mantém-te em cima. Olha por ti. Olha por ti e pela tua irmã que é mais nova. Os grandes que se safem D*. Sai. Fala com alguém. Vive, rapariga. E isto não é o fim do mundo. Somos quatro irmãs. Todas assistimos ao divorcio dos meus pais (muito pouco civilizado, acredita) e estamos aqui rijas como um pêro.
Se precisares de alguma coisa, apita. Chama-me aos gritos e eu apareço. :)
Cá beijinho e dá-lhe com força. :)

Alexandre disse...

Fantástico! Como escreveste tão bem e que te expressaste de uma maneira fantástica num momento tão complicado como este!
Admiro-te, além disto, continuas preocupada com a tua irmã... Ela tem uma irmã, pelo que já vi.
Não se vai resolver tudo, mas por vezes temos que viver de uma forma que nunca pensámos que assim fosse. =/
Beijinhos e força.

O meu comentário não é dos melhores, falta-me as palavras.
Espero ter dado algum apoio, apesar de não ter mudado nada.

Flor disse...

Dois miminhos no meu blog :)

Lia disse...

espero que esteja tudo melhor...

S* disse...

Querida, eu sei que dizer que tens de aceitar não resolve nada, mas é a verdade. O meu pai saiu de casa um mês antes de eu fazer os exames nacionais do 12º ano, que me levaram a entrar na faculdade. A minha mãe andou deprimida mais de um ano. A minha mãe um dia escorregou e caiu no WC e ficou o resto da tarde deitada no chão, sem se querer levantar. Eu via a minha mãe a chorar todo o santo dia. Mas não nos podemos deixar ir abaixo. Se se separaram, têm fortes motivos. E não, não estás sozinha. Os teus pais separaram-se um do outro, não de ti e da tua irmã. O meu pai foi viver para Espanha, passei a vê-lo 4 vezes ao ano. O teu pai certamente estará perto e mais acessível. Não podes dramatizar porque não, não é um drama. Não é o fim da família. Não é o fim do amor entre pais e filhos. Tens é de apoiar os teus pais e mostrar-lhes que podes não gostar, mas aceitas a decisão deles. Gritar com o teu pai não é justo. Já deve estar a ser suficientemente difícil para ele acredita.

A não ser que algum dos pais tenha feito algo de muito mau, não há motivos para gritos ou raiva. Os casamentos não dão certo, as amizades não dão certo, os sonhos não dão certo. Há que saber encarar isso. O divórcio dos pais não deverá afectar nunca a relação com os filhos. Concentra-te nisso.

S* disse...

E Maggy, o pai precisa de alguém também. Só porque é homem, não tem de se safar sozinho.

Barbara C disse...

Meus pais tambem são separados e para falar a verdade adoro. Comigo foi diferente não lembro deles casados era muita pequena, morei um tempo com meu pai e digo minha vida so melhorou quando fui morar com a minha mãe, nada melhor do que a mãe da gente perto.
Tenho dó do meu pai morando só, mas sempre vou visita-lo faça o que for melhor para e voce e os ajudam da maneira que puder.

tenha calma!