Quantos andam por aqui?

18 de fevereiro de 2009

Ando com uma vontade gigantesca de ir fotografar, ir por aí sem rumo... apenas eu e a máquina. É como que uma parte de mim quer ser saciada mas o tempo não o permite. Quando me tiram esta oportunidade de me satisfazer, de fazer o que realmente gosto, é o caos. Quando vou para um sítio que sei que podia tirar excelentes fotografias e não saio de casa sinto-me triste, sem vontade para nada. Preciso de sair daqui, desta monotonia, desta vida com camadas de regras a cobrir-me. Só peço um tempo, umas horas para mim... nada mais. Gostava de explicar a minha necessidade, mas não o sei dizer por palavras. Imaginem o que mais gostam de fazer e não terem tempo. É como tirarem as telas e as tintas a um pintor, uma caneta e folhas a um escritor, os sonhos a um sonhador. É isso. O não sentir nada por dentro, uma parte de nós está em falta. Custou a descobrir no que é que sou boa, se calhar nem é nisto, mas eu contento-me com o que sei e faço agora. É tão bom fazer isto, é ser livre e espontâneo, livre de regras e condições. Faço as minhas próprias regras, escolho o que quero fotografar e aí vou eu! Não me chamem, não me peguem pela mão, não me parem, não olhem para mim. Deixem-me ir que assim estou bem.

2 comentários:

Danii disse...

Obrigado Joana pela inspiração que as tuas fotos me deram :D

Buh! disse...

foi um prazer :)