Quantos andam por aqui?

10 de fevereiro de 2009

Sabem aqueles dias em que está chuva mas querem sol, ou que está sol e calor e querem chuva? Eu sinto-me assim, estranha, não me conheço. Quem me rodeia começa a conhecer-me melhor que eu. É como se tivesse múltplas Danielas dentro de mim, e quando querem vêem à superficie. Já não me consigo suportar às vezes, quero dar parte fraca mas algo não me deixa. Tenho de me concentrar, não me deixar abrir porque depois pode ser pior... AAAHHHH. Que coisa! Quero falar, chorar, rir, desabafar, pensar, fugir, ficar, desobedecer a mim mesma mas fico sempre na mesma. Será este o auge da mudança? Aquela nova pessoa que me estou a tornar será que é agora que vou definir o que vou ficar? A mente humana é uma coisa tão complexa (ou então somos nós que a complicamos... na maior parte dos casos é o que acontece), quando não temos uma coisa damos tanto a falta dela, mas é-nos igual quando a damos por garantida. Quero tanto, mas tanto gritar pela Carina assim baixinho (para que só eu possa perceber). Esforço-me para que possa dar o devido valor às pessoas que me rodeiam mas não o consigo verbalizar. É como se o coração e as palavras não fossem compatíveis, dialectos diferentes. São o frio e o quente, o mais e o menos, o preto e o branco. Tenho tanta coisa para vos dizer, mesmo que não sejam boas, quer dizer. O arrependimento é a pior coisa. Se não li um livro não vou ficar arrependida de não o ter lido, vou é desfrutar do prazer de não o ter lido do que fiz nessas horas. Já me arrependi de tanta coisa, mas agradeço por não o ter feito porque isso podia mudar o que sou agora. Estes se's dão comigo em maluca, é sempre a expectativa do que teria acontecido se... Se isto levar a um bom caminho fico feliz por ter-me questionado tanto.

2 comentários:

Buh! disse...

:)


a pimpinela gosta

Artamidae disse...

os se's e os múltiplos eu's são tão difíceis de se lidar...
"tenho de me concentrar, não me deixar abrir..."
(sinto-o todos os dias...)