Quantos andam por aqui?

24 de janeiro de 2012

Eu gostava de chorar e de ter os problemas que muitas raparigas de 20 anos têm. Gostava de chorar porque ele não gosta de mim; porque preciso de emagrecer; porque preciso de roupa nova; porque o meu cabelo não é esticadinho; porque não tenho tempo para ver filmes e séries. A sério que sim. Gostava de chorar por ter problemas destes.
Ontem chorei porque tenho medo de perder o meu pai. Chorei porque passei 8 horas dentro de um hospital e só de vê-lo ao longe, sentado e frágil, toda eu estremecia. Chorei porque as notícias não são animadoras. Chorei porque aquele é o meu pai e o meu pai não é assim. O meu pai ralha comigo, o meu pai diz "o que é preciso é levantar a moral", o meu pai é o meu pai e não aquela pessoa que está ali deitada. O meu pai é a pessoa que mais me contraria, com quem eu mais ralho, que mais me faz chorar porque nunca consegue ver o meu ponto de vista. E eu quero esse pai. Não quero um pai que mal me reconhece, que vê pessoas que não estão lá, que não reage. Eu quero o meu pai presente no final da minha licenciatura, e quero perguntar-lhe se está orgulhoso de mim, se todas as discussões que tivemos sobre eu passar tempo a mais na faculdade valeram a pena. Eu só quero o meu pai de volta.
Estou cansada e já não sei se acredito, mas depois penso nos meus avós e lembro-me que tenho de ser forte por eles. Tenho de ser forte e acreditar, dar-lhes força, mesmo que passe as noites a chorar. Tenho de me esquecer que só tenho 20 anos e que deveria estar em férias. E é nestas alturas que me sinto sozinha, ninguém se preocupa, ninguém pergunta, ninguém...

5 comentários:

Alexandre disse...

Muita força. Não te sintas sozinha. Estamos contigo!

As melhoras para o teu pai.

Teresa disse...

Muita força e coragem!
As melhoras para o teu pai.

Cat disse...

Oh querida :(
Um beijinho de muita força!

Green disse...

Nem imagino o que estás a passar, por isso, resta-me dar-te a maior força e desejar que tudo corra bem.
Beijinho grande. Coragem*

Ana T. disse...

Não te sintas sozinha. E, sobretudo, não sofras apenas sozinha. Precisas de desabafar, de dizer o que sentes a alguém.

Força.**