Quantos andam por aqui?

26 de julho de 2009

As pessoas são tão supérfluas, são como uma rolha de cortiça à tona da água - não se atrevem a ir ao fundo dos assuntos realmente importantes, só lá vão se estiverem agarradas a algo de maior importância que elas. Hoje enquanto andava de corredor em corredor numa loja daquelas que as mães tanto adoram dei por mim a olhar para mata-moscas cor-de-rosa (porquê?). Porque é que tudo tem de ser feito conforme os gostos (e carteiras) das pessoas, porque é que um mata-moscas não pode ser normal? E com um mata-moscas digo outras coisas, porque é que nós temos necessidade de fazer com que tudo pareça bonito? Quer dizer eu gosto de coisas bonitas (embora o bonito seja subjectivo) e que sejam atractivas visualmente, mas coisas que me façam realmente falta, mas agora um mata-moscas? A sério não entendo, se o objectivo único de um mata-moscas é isso mesmo - matar moscas - porque é que tem de ser todo floreado? Não é que eu simpatize com moscas (muito pelo contrário, elas irritam-me) mas se as moscas têm direito a coisas floreadas será que daqui a uns anos também vão fazer bombas cor-de-rosa? Se calhar isso iria fazer com que a guerra parecesse menos fria e feia do que ela é na realidade, e nós a aceitássemos melhor... Tenham paciência, as pessoas são seres que eu não compreendo e não quero compreender!

Nestes dias como tenho pouca coisa para fazer lembrei-me do que a minha tia me disse à uns meses "eu quando não vejo esqueço" e dei por mim a pensar nisso. Sempre disse que era contra isso, mas agora começo a reparar que é verdade. Se calhar isto faz parte da nossa natureza... ou se calhar eu é que (in)conscientemente quero que isto aconteça.

3 comentários:

Donimopseu disse...

isso fez-me lembrar um tema interessantissimo (or not) L'amour! Eu, IN_conscientemente faço um esfrço para os dois lados, tanto forço-me a me lembrar que não me posso esquecer, ou a esquecer-me que me devia de lembrar... é uma espécie de "faz-de-conta que já passou" que não passa, é uma porcaria :S
Quanto ao mata-moscas...minha querida porque é que agora andam a fazer papel higienico alternativo com desenhos fixes e cores fixes...tipo...tamos a falar de cóco?! mas um mata-moscas...vá pensa comigo 'A Arte de Matar(uma fly)' requere algum estilo...e além disso as velhas adoram cenas cor-de-rosa com flores....mesmo que seja apenas uma coisa para matar moscas...

J. disse...

é um post extremamente pertinente e apenas uma pequena parte da lavagem cerebral que a sociedade actual nos faz. Nem tudo tem de ser bonito ou perfeito. Aliás se assim fosse, não tinha piada nenhuma.
Claro que também gosto de coisas bonitas e cedo ao materialismo aqui e ali, mas esse exemplo é ridículo. Há coisas que têm de ser prático e ponto final.

Artamidae disse...

lembro-me agora de uma frase dita numa aula: "uma peça perfeita é uma peça menor."
e sim, o bonito é algo de subjectivo porque "a beleza está nos olhos de quem a vê."